Sabor De Minas

Dicas | Recomendações | Comentários

Qual A FunO Dos Rins?

Quais são as principais funções dos rins?

Qual é a função do rim no corpo humano – Hospital do Rim Você sabe quais são as funções dos rins no corpo humano? Com tamanho aproximado de 12 centímetros e pesando cerca de 150g cada, os rins estão localizados em ambos os lados da coluna vertebral. Eles são considerados órgãos nobres, pois desenvolvem papéis imprescindíveis à vida.

Mas, afinal, quais são as funções dos rins no corpo humano? Sua principal tarefa é filtrar o sangue, ou seja, os rins removem todos os resíduos tóxicos presentes na circulação que são resultantes do metabolismo corporal, como uréia, creatinina e ácido úrico, Mas existem outras tarefas importantes realizadas por esses órgãos.

Confira a seguir! Entendendo o trabalho dos rins Esses órgãos ainda são responsáveis por proporcionar um constante equilíbrio hídrico no corpo, uma vez que eliminam o excesso de água, sais e eletrólitos do organismo. Com isso, ocorre uma diminuição nas chances do aumento da pressão arterial e do aparecimento de edemas.

Além disso, são os rins que participam na produção de determinados hormônios, como a eritropoetina (que atua na formação de glóbulos vermelhos), a vitamina D (que colabora com a absorção do cálcio para favorecer o fortalecimento dos ossos) e a renina (que participa da regulação de pressão arterial). Quando algo está errado com os rins Por serem órgãos essenciais para a vida, é preciso estar sempre atento a qualquer sinal de problema com os rins. Os sintomas mais comuns que aparecem quando a funcionalidade dos rins está comprometida são: *Sangue na urina ou urina espumosa *Edemas (inchaços) *Cansaço *Anemia *Dores nas costas *Redução do volume da urina *Perda do apetite, náuseas e vômitos Se perceber qualquer um desses indícios, procure um nefrologista imediatamente. FONTES: Blog do Dráuzio Varella

: Qual é a função do rim no corpo humano – Hospital do Rim

Como é o funcionamento dos rins?

Como funciona o corpo humano? Universidade Estadual Paulista U N E S P O funcionamento do Rim Possumos um par de rins que fica situado um pouco acima da altura da cintura. O rim adulto tem um peso aproximado de 170g e divide-se anatomicamente em crtex e medula (figura acima, a direita).

  • Os rins filtram diariamente quase 180 litros de sangue.
  • Depois de filtrado os produtos da excreo (uria, excesso de sais minerais, drogas) so eliminados em forma de urina.
  • O aporte de sangue ocorre atravs das artrias renais e o sangue “limpo” ou depurado retorna circulao por meio das veias renais.
  • Apesar dos rins filtrarem, 180 litros de sangue, apenas 1,2 a 1,8 litros de urina produzida por dia, o que significa que o rim reabsorve aproximadamente, 99% do filtrado.

O processamento do sangue realizado pelo nefro, a unidade funcional do rim. O nefro filtra o sangue e depois modifica o filtrado, recuperando gua e solutos e eliminando os excretas (principalmente uria). A urina produzida pelos rins so coletada pelos ureteres e armazenada na bexiga urinria.

O que acontece quando os rins param de funcionar?

Pacientes Os rins e a doença renal Noções básicas sobre os rins O que acontece quando os rins deixam de funcionar? Quando os rins começam a parar, vão deixando de realizar todas as suas importantes funções. Água e resíduos em excesso acumulam-se no sangue, num processo chamado de uremia. Devido a esse acúmulo e a diminuição da produção de alguns hormônios, a pessoa começa a se sentir doente.

Como saber se os rins estão funcionando bem?

Quais exames identificam se tenho doenças nos rins? – A maneira mais eficaz de identificar alguma doença nos rins é por meio de exames de sangue e urina. A dosagem de creatinina sanguínea é capaz de calcular a taxa de filtração sanguínea no órgão. O exame de creatinina é laboratorial e pode ser feito por dois métodos diferentes.

  • Pelo sangue, onde é possível investigar apenas o nível da taxa da substância, sua concentração pela urina (exame conhecido como clearance de creatinina) ou a comparação entre as duas medidas.
  • O cálculo de Clearance de creatinina pode ser feita utilizando diferentes fórmulas, a mais comum é a de Cockcroft & Gault, onde leva em consideração a idade, gênero, peso e concentração de creatinina no sangue.

Para monitorar a progressão da doença, esse exame tem sido um teste muito utilizado para medir a taxa de filtração glomerular (TFG). Contudo, cerca de 10 a 20 % da creatinina urinária é resultante da secreção tubular quando a TFG é normal e gradativamente mais alta à medida que a TFG cai e a creatinina sérica aumenta.

O cálculo é feito pela seguinte fórmula: Clearance de creatinina (mL/min) = / 72 x creatinina plasmática (mg/ dL), Caso o cálculo seja feito para uma pessoa do gênero feminino, deve-se multiplicar o resultado por 0,85. Apesar de ser o método mais utilizado, essa fórmula contém algumas limitações devido aos dados para cálculo não serem coletados pelo laboratório.

Isso pode impedir maior assertividade no resultado. Sendo assim, outros meios de cálculo são utilizados pelos laboratórios. Valores de referência: Os valores normais de clearence de creatinina são:

Crianças : 70 a 130 ml/min/1,73 m² Mulheres : 85 a 125 ml/min/1,73 m² Homens : 75 a 115 ml/min/1,73 m²

Entenda as causas da creatinina alta com nosso Nefrologista da unidade de Ipanema-RJ, Dr. Jadilson Pereira.

Quais os primeiros sintomas de problemas nos rins?

3. Como saber se você tem doença renal? – Atenção se apresentar um dos seguintes sinais ou sintomas:

Hipertensão arterial Diabetes melitos Inchaço nas pernas ou no rosto Cólica renal Infecção urinária (ardor para urinar ou dor lombar associada a febre, urina com mal cheiro ou turva, dificuldade para urinar ou sentir vontade de urinar muitas vezes ao dia) Sangue na urina Fraqueza ou palidez cutânea não explicada por outras causas

Quando o rim está inflamado?

Qual A FunO Dos Rins Os rins são dois grandes órgãos em forma de feijão, localizados na região lombar (costas). Dentro deles existe um novelo minúsculo de vasos sanguíneos, chamados glomérulos, responsáveis por filtrar o sangue, removendo os resíduos tóxicos e o líquido em excesso que, mais adiante, constituirão a urina.

Num rim saudável, esse processo de filtragem ajuda a manter os glóbulos vermelhos e as proteínas na corrente sanguínea, evitando que passem para a urina. A nefrite é um termo utilizado para descrever um conjunto de doenças que causam uma inflamação nos glomérulos. Esta inflamação afeta a capacidade do rim de filtrar os resíduos tóxicos e o líquido em excesso.

Em muitos casos, não é possível explicar suas causas, mas, geralmente, ocorrem como uma resposta do sistema de defesa do organismo a uma “agressão” – que pode ser um medicamento, uma substância tóxica ou uma infecção. Frequentemente, a reação do corpo às “agressões” danifica os rins, provocando inchaço e cicatrizes nos delicados filtros que são os glomérulos.

A nefrite pode ser aguda ou crônica. A forma aguda desenvolve-se subitamente, por vezes após uma infeção na garganta ou na pele, podendo necessitar de tratamento com antibióticos para evitar que provoque uma reação grave no rim. A nefrite crônica desenvolve-se de forma silenciosa, sem sintomas, ao longo de vários anos e pode levar à insuficiência renal.

Causas de nefrite: – Infecções por bactérias, vírus, etc., – Pessoas com doenças dos rins, câncer, diabetes, HIV, doença falciforme, doenças autoimunes como o lúpus ou a Síndrome de Sjogren têm maior risco de sofrer de nefrite; – Ser exposto de forma prolongada às toxinas como lítio, chumbo, cádmio ou ácido aristolóquico.

Sintomas: – Diminuição da quantidade de urina; – Urina avermelhada ou com cor de “Coca-Cola”; – Excesso de suor, especialmente no rosto, mãos e pés; – Inchaço dos olhos ou das pernas; – Aumento da pressão arterial; – Presença de sangue na urina. Tratamento: O tratamento vai depender do tipo de nefrite e, por isso, no caso da nefrite aguda o tratamento pode ser feito com repouso absoluto, controle da pressão arterial e redução do consumo de sal.

Se a nefrite aguda foi provocada por uma infecção, o médico nefrologista pode prescrever um antibiótico. Prevenção: Cuidar da saúde como um todo ajuda a proteger a saúde do rim. Recomenda-se: – Praticar exercícios físicos regulares; – Evitar o excesso de sal, carne vermelha e gorduras; – Controlar o peso corporal; – Controlar a pressão arterial; – Controlar o colesterol e a glicose; – Não fumar; – Não abusar de bebida alcoólica; – Evitar o uso de anti-inflamatórios não hormonais; – Ter cuidado com quadros de desidratação; – Realizar, uma vez por ano, exames laboratoriais para avaliar a saúde dos rins: dosagem de creatinina no sangue e análise de urina; – Consultar regularmente seu clínico; – Não fazer uso de medicamentos sem prescrição médica.

Pacientes idosos, portadores de doença cardiovascular e pacientes com história de doença renal em familiares têm grande potencial para desenvolver lesão renal e devem ser avaliados periodicamente. IMPORTANTE: Somente médicos e cirurgiões-dentistas devidamente habilitados podem diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios.

As informações disponíveis em Dicas em Saúde possuem apenas caráter educativo. Dica elaborada em outubro de 2022. Fontes : Associação Portuguesa de Insuficientes Renais Fundação Pró-Rim Sociedade Brasileira de Nefrologia

Onde se sente a dor nos rins?

A dor no rim costuma surgir na região acima da púbis ou no flanco (próximo da cintura).

Como a água vai para os rins?

Como a água se transforma em xixi? – Diário do Grande ABC Quando bebemos água, o líquido passa pelo esôfago (canal que leva o alimento ao estômago), segue para o intestino e cai na corrente sanguínea até chegar aos rins (temos dois com formato semelhante ao grão de feijão, mas bem maiores).

See also:  Bayram Ne Zaman 2022?

Os órgãos filtram o sangue, separando o excesso de água e as substâncias que não são úteis ao organismo, formando o xixi. Depois de passar pelos rins, a urina percorre caminho até a bexiga, onde é armazenada. Ao encher, surge a vontade de ir ao banheiro. Então, sai por um canal chamado uretra. O xixi joga fora aquilo que o corpo não absorve totalmente, além das substâncias que podem nos fazer mal, como cloreto de sódio (sal), ureia (sobra das proteínas), ácido úrico (formado naturalmente pelo organismo e prejudicial em excesso), entre outras.

O volume eliminado depende da quantidade de líquido ingerido. Por isso, é importante beber bastante água. Além de ajudar o funcionamento dos órgãos, dilui as substâncias presentes na urina, deixando-a menos concentrada. COLORAÇÃO Muitas substâncias que formam o xixi têm coloração amarelada.

Só que quanto mais água a gente bebe, mais clarinho ele fica. A cor também pode mudar de acordo com o tipo de alimentação, ingestão de medicamentos e até doenças. Comer muita beterraba, por exemplo, pode deixá-lo rosado. Já a cenoura e a abóbora o tornam laranja. Remédios podem fazê-lo ficar amarelo-escuro e até esverdeado.

A melhor maneira de saber se está bem hidratado é observando a urina. Se for ao banheiro com bastante frequência, e ela tiver coloração clarinha significa que está tudo bem. Caso demore muito, vai perceber que o xixi fica mais escuro e com odor forte. Nesse caso, precisa beber mais água.

  1. Dá mais vontade ir ao banheiro no frio Já reparou que a gente tem mais vontade de fazer xixi quando está frio? Isso acontece porque no inverno transpiramos menos, mas o corpo precisa eliminar a mesma quantidade de água e outras substâncias.
  2. Assim, vamos mais vezes ao banheiro.
  3. Já em dias quentes ou quando praticamos atividade física, a frequência diminui, pois boa parte do líquido sai por meio do suor.

Independentemente do clima, é importante não segurar o xixi. A vontade de fazê-lo é sinal do organismo de que chegou o momento de esvaziar a bexiga. Especialistas recomendam que o intervalo entre uma ida ao banheiro e outra não ultrapasse quatro horas.

  1. Demorar muito tempo para urinar faz com que as paredes da bexiga fiquem mais apertadinhas, dificultando a circulação do sangue e o trabalho dos rins.Além disso, impede que as células musculares da bexiga recebam nutrientes e oxigênio necessários para o bom funcionamento.
  2. Pode causar ainda infecção urinária, pois o xixi não deve ficar parado por tantas horas.

Algumas pessoas com problemas nos rins não conseguem eliminar as toxinas naturalmente e precisam que o sangue seja filtrado por uma máquina. O procedimento é chamado hemodiálise. Os alunos do 1º ano A da Emeb Professor Salvador Gori, de São Bernardo, têm curiosidade de saber como a água se transforma em xixi. Eles aprenderam que quando o líquido entra no nosso organismo passa por vários órgãos até chegar à bexiga, que tem formato parecido com o de uma bolsa e é responsável por armazenar a urina.

Qual a fruta que limpa os rins?

Laranja e limão – O citrato, presente nessas frutas, previne a formação dos cristais nos rins. Os especialistas recomendam o consumo destas frutas para quem apenas tem casos de pedras nos rins na família, como forma de prevenção. Vale consumir na forma de suco também. O melão é outra opção, sendo duas fatias por dia o bastante para ter os benefícios.

Quais são os alimentos que fazem mal para os rins?

Mitos e verdades: conheça alguns alimentos que podem sobrecarregar os rins Qual A FunO Dos Rins A alimentação é um fator muito importante na manutenção da saúde renal. De acordo com a médica Ângela Santos, nefrologista da Uninefron, isso ocorre porque determinados alimentos podem influenciar de forma benéfica, e outros não, o funcionamento dos rins.

  • A ingesta de alguns produtos ajuda na preservação das funções renais, enquanto outros colaboram para o surgimento de problemas como a doença renal crônica, por exemplo.
  • É preciso ficar atento na hora das refeições”, alerta a especialista.
  • Ângela Santos explica ainda que é fundamental conhecer os alimentos que estão sendo ingeridos para saber se são benéficos ou prejudiciais aos rins.

“A maior parte da população desconhece a importância de rins saudáveis para a funcionalidade de todos os órgãos e, quando se fala em nutrição saudável para a prevenção de doenças, as patologias mais lembradas são hipertensão e diabetes. O que muita gente não sabe é que essas doenças crônicas podem evoluir e serem prejudiciais aos rins”, garante.

Para ajudar a esclarecer o que é mito e verdade sobre alimentos que influenciam diretamente a função renal, a médica Ângela Santos nos ajudou a separar algumas situações cotidianas que podem indicar ou agravar problemas renais: Tomar leite ajuda a formar cálculo renal? MITO – Os cálculos renais são formados prevalentemente por cálcio, por isso há a ideia incorreta de que o leite e seus derivados devem ser excluídos da dieta.

O leite é um importante alimento e seu consumo diário pode até inibir a formação das pedras, por reduzir a absorção do oxalato no intestino, sendo então liberado como oxalato de cálcio. Vale lembrar também que a falta do alimento pode causar osteoporose e outros prejuízos para a funcionalidade renal.

  1. Todas as frutas podem ser consumidas sem restrições? MITO – Algumas frutas podem, sim, ser benéficas para o trato renal, como a laranja e o limão, que são ricos em ácido cítrico, e atuam como agentes preventivos na formação de cálculos renais.
  2. No entanto, outras frutas podem ser prejudiciais aos rins, como a carambola, que possui a enzima caramboxina, que não é filtrada pelos rins e pode atingir o cérebro, causando confusão mental, vômitos e convulsões.

É preciso ponderar o uso de cada fruta e consumir somente quantidades moderadas de cada uma. Que frutas são essas, que precisamos comer com maior moderação? ATENÇÃO – Não só frutas, mas outros alimentos devem ser consumidos com moderação. Um exemplo são os produtos ricos em potássio, que pode ser danoso para pacientes renais crônicos.

  1. Geralmente eles são encontrados na banana, abacate, mamão, melão e uvas, além de grãos como feijão, ervilha e grão de bico, frutas secas e oleaginosas, chocolates e cafés.
  2. Portanto, esses itens também devem ser ingeridos com cautela por esses pacientes.
  3. Sal em excesso pode causar pedra nos rins? VERDADE – Quando consumido em excesso, o sal contribui para uma maior eliminação de cálcio do organismo, podendo gerar uma supersaturação da substância nos rins, o que pode levar à formação das pedras.

O sódio contido no sal também pode afetar a pressão arterial, prejudicando os vasos sanguíneos dos rins e, consequentemente, suas funções. Pacientes renais crônicos podem ingerir água à vontade? MITO – O consumo exagerado de líquidos por parte de pacientes renais crônicos pode, muitas vezes, causar aumento da pressão arterial, edemas no corpo e em casos graves congestão pulmonar, podendo causar dificuldade respiratória.

  • Por isso, é preciso consumir um volume correto, indicado por um médico nefrologista.
  • Um copo ou uma taça de bebida alcoólica pode fazer mal aos rins? DEPENDE – Estudos mostraram que a prevalência de patologias renais, como a doença renal crônica, pode ser menor em pacientes que consomem uma taça pequena de vinho por dia.

No entanto, o consumo exagerado do álcool provoca o efeito contrário: em excesso, bebidas alcoólicas podem causar hipertensão, doença que causa ou agrava cenários de problemas renais. Por isso, o consumo deve ser evitado ou moderado, sempre evitando exageros.

  • A ingesta de álcool sem moderação também pode causar prejuízo ao fígado, coração e outros órgãos do corpo.
  • Alimentos ultraprocessados prejudicam diretamente os rins? VERDADE – Alimentos como presunto, mortadelas, bacon, salsichas, queijos amarelos, margarinas e manteigas, enlatados e peixes salgados, como sardinha e atum em conserva, são ricos em sódio, substância já citada anteriormente pela capacidade prejudicial aos rins.

Portanto, esses produtos devem ser consumidos com moderação, com atenção individual ao quadro clínico apresentado. : Mitos e verdades: conheça alguns alimentos que podem sobrecarregar os rins

É possível o rim voltar a funcionar?

Diálise – o que é? Diálise é um tratamento que remove os resíduos e excesso de fluidos do sangue. Tenho doença nos rins, vou precisar fazer diálise? Nem todos os pacientes com doença renal precisarão de diálise. Os estágios da doença renal crônica podem durar muitos anos.

  • Mas se os seus rins falharem- estágio 5 da DRC-, você precisará de diálise ou de um transplante de rim.
  • Quando eu tenho que começar a diálise? Se a sua função renal cair para 15% ou menos, é recomendável começar a fazer diálise.
  • Se você sentir algum sintoma grave causado pela doença renal, como falta de ar, fadiga, cãibras musculares, náuseas ou vômitos, também se recomenda iniciar a diálise.

Mas lembre-se, converse com o seu médico. Ele vai ajudar você a decidir quando começar o tratamento, com base nos seus sintomas e resultados dos exames laboratoriais que medem o nível da sua função renal. É importante começar a se preparar para a diálise ou para um transplante quando a sua doença renal atingir o estágio 4- grave, com taxa de filtração glomerular, ou TFG, inferior a 30 mL /min.

  • Busque informações com o seu médico.
  • Para realizar qualquer tipo de diálise, você vai ter que passar por uma cirurgia de acesso, que precisa ser feita com bastante antecedência.
  • O acesso permite que você realize o tratamento, pois ele é a conexão entre seu corpo e a máquina de diálise.
  • A diálise só poderá começar depois que o acesso cicatrizar.
See also:  MTevazi Ne Demek?

Assim que eu começar a fazer diálise, meus rins vão melhorar? As chances dos seus rins melhorarem vão depender do que causou sua insuficiência renal, que é dividida em duas categorias gerais: aguda e crônica. A insuficiência renal aguda (ou súbita) muitas vezes é temporária e os rins podem voltar ao normal.

Fornecimento de sangue insuficiente para os rins Fluxo urinário obstruído Reações a alérgenos (substâncias naturais que provocam alergia) ou substâncias tóxicas Doenças autoimunes agudas que atacam os rins

O que pode causar a doença renal crônica (gradual)?

Diabetes tipo I e tipo II Pressão alta Glomerulonefrite (inflamação dos glomérulos, pequenos grupos de vasos sanguíneos que filtram o sangue) Doença renal policística Ataque autoimune de longo prazo nos rins Obstrução prolongada do trato urinário

Se a sua insuficiência renal crônica não foi diagnosticada até você estar prestes a precisar fazer diálise ou um transplante, então ela pode parecer repentina para você. Mas a lesão gradual nos seus rins, que ocorreu ao longo de vários anos, pode ter causado danos permanentes.

  1. Se você tiver insuficiência renal aguda, pode precisar de diálise por apenas alguns dias ou semanas, enquanto seus rins se recuperam.
  2. Se os seus rins estão prejudicados demais para recuperar a sua função, então você precisará de diálise por mais tempo ou de um transplante de rim.
  3. Se os seus rins parecem estar se recuperando, converse com o seu médico para saber se isso pode ser verdade.

Exames de sangue podem determinar se a sua função renal melhorou.

Qual Exame de sangue detecta problema no rim?

A maneira mais eficaz para identificar precocemente as doenças renais é por meio de exames de sangue e urina. A dosagem da creatinina sanguínea permite calcular a taxa de filtração sanguínea dos rins. Já o exame simples de urina (urina 1) pode identificar a presença de sangue, proteínas, glicose ou outras substâncias que apontam para uma possível doença renal.

Quando os rins param eles podem voltar a funcionar?

Page 2 – A insuficiência renal é reversível quando o problema ainda não se tornou crônico. Assim, em sua fase aguda, a maioria dos pacientes consegue realizar o tratamento e recuperar as funções renais, mantendo uma vida normal a partir daí. Qual A FunO Dos Rins A insuficiência renal é um problema que traz preocupação para as pessoas. Afinal, se caracteriza pela perda da função dos rins, com risco de se tornar um problema crônico que exige a necessidade de fazer diálise ou ser submetido a um transplante renal.

  • No entanto, não existe apenas um tipo de insuficiência dos rins e, dependendo do quadro clínico do paciente, é possível reverter esse problema, fazendo com que os rins voltem a funcionar normalmente.
  • Neste artigo explicaremos quando isso é possível.
  • Continue lendo para conferir.
  • O rim filtra os resíduos presentes no sangue para que eles sejam eliminados do organismo por meio da urina, assim evita a alta concentração, que poderia trazer diversos problemas de saúde.

Eu retiraria esta sentença toda. De toda forma, mais do que saber o que é insuficiência renal é importante entender que existem dois tipos, a insuficiência renal aguda e a crônica. A insuficiência renal aguda é uma condição clínica na qual o paciente perde as funções dos seus rins de uma forma rápida, às vezes de repente ou evoluindo ao longo de poucos dias.

  1. Os órgãos, em razão de diferentes fatores, param de funcionar e as toxinas e substâncias se acumulam no organismo.
  2. No quadro agudo 60% dos pacientes recuperam completamente a função renal após o tratamento da causa que originou a insuficiência renal.
  3. Outros 30% recuperam parcialmente a função renal e felizmente não há a necessidade de diálise.

Os 10% restantes não evoluem bem, não há recuperação e os pacientes necessitarão de algum método de substituição da função renal. Já a insuficiência renal crônica é a doença que já se instalou e não pode ser curada ou seja o dano renal é irreversível Esse problema costuma ser muito silencioso e evoluir gradativamente ao longo do tempo.

  1. Os rins aos poucos deixam de funcionar e, muitas vezes, o indivíduo só descobre essa condição quando ela já está mais grave.
  2. A insuficiência renal aguda pode se tornar crônica se não receber o devido tratamento.
  3. Para isso definiu-se o tempo de até 3 meses para recuperar o caso se não ocorrer, o paciente será considerado crônico.

Por isso, é importante ter atenção aos sinais que manifestam, sendo alguns sintomas de insuficiência renal:

redução na produção de urina;inchaço nos pés, tornozelos e pernas;perda de apetite;falta de ar;sonolência;confusão;fadiga;dor ou pressão no peito;náuseas;vômitos.

Em casos mais graves, a insuficiência renal aguda pode levar à ocorrência de convulsões ou estado de coma. Agora que ficou mais claro o que é insuficiência renal aguda e crônica, é possível entender em quais casos esse problema pode ser revertido. Como explicamos, a insuficiência crônica não tem cura, podendo apenas ser estacionada, ou em algumas situações reduzir a velocidade de progressão da doença.

Sendo assim, os quadros que podem ser recuperados são os agudos. Para que a reversão seja possível, é importante identificar o que está causando esse mal, a fim de adotar a melhor terapia. Por exemplo, restaurar o bom fluxo sanguíneo para os rins através da hidratação de um paciente desidratado, ou remover um cálculo renal que obstruiu o trato urinário.

No caso do paciente estar utilizando um medicamento que é nocivo aos rins, esse deve ser suspenso ou ajustado por outro sem toxicidade renal. Existem algumas abordagens que são adotadas como recomendações gerais para tratar a insuficiência renal aguda.

  • Uma delas são as adequações na dieta, necessárias para evitar o acúmulo de toxinas e também para que não haja um aumento de substâncias, como potássio no sangue.
  • A ingestão de líquidos também é controlada, tendo como objetivo evitar o excesso de líquido no organismo e prevenir inchaços.
  • Afinal, a retenção de líquidos que causa esses edemas pode desencadear hipertensão arterial e hipervolemia ou edema agudo de pulmão.

Alguns pacientes podem precisar de sessões de diálise enquanto os rins não recuperam suas funções totais. Ela é necessária quando os níveis de potássio atingem picos perigosos, se o paciente parar de urinar ou se houver alterações em seu estado mental.

  1. Pode ser necessária, ainda, para pacientes com quadro de pericardite.
  2. Agora que ficou mais claro o que é insuficiência renal aguda e crônica, é possível entender em quais casos esse problema pode ser revertido.
  3. Como explicamos, a insuficiência crônica não tem cura, podendo apenas ser estacionada, ou em algumas situações reduzir a velocidade de progressão da doença.

Sendo assim, os quadros que podem ser recuperados são os agudos. Para que a reversão seja possível, é importante identificar o que está causando esse mal, a fim de adotar a melhor terapia. Por exemplo, restaurar o bom fluxo sanguíneo para os rins através da hidratação de um paciente desidratado, ou remover um cálculo renal que obstruiu o trato urinário.

No caso do paciente estar utilizando um medicamento que é nocivo aos rins, esse deve ser suspenso ou ajustado por outro sem toxicidade renal. Existem algumas abordagens que são adotadas como recomendações gerais para tratar a insuficiência renal aguda. Uma delas são as adequações na dieta, necessárias para evitar o acúmulo de toxinas e também para que não haja um aumento de substâncias, como potássio no sangue.

A ingestão de líquidos também é controlada, tendo como objetivo evitar o excesso de líquido no organismo e prevenir inchaços. Afinal, a retenção de líquidos que causa esses edemas pode desencadear hipertensão arterial e hipervolemia ou edema agudo de pulmão.

Alguns pacientes podem precisar de sessões de diálise enquanto os rins não recuperam suas funções totais. Ela é necessária quando os níveis de potássio atingem picos perigosos, se o paciente parar de urinar ou se houver alterações em seu estado mental. Pode ser necessária, ainda, para pacientes com quadro de pericardite.

Gostou do post de hoje? Deixe sua opinião nos comentários! : Você sabia que a insuficiência renal, às vezes, pode ser reversível?

O que pode causar problemas no rim?

Obesidade – com aumento excessivo de peso corporal, o metabolismo demanda filtragem de sangue maior que o costume, sobrecarregando os rins ; Hipertensão arterial – em um organismo saudável, os rins filtram 25% de todo o sangue bombeado pelo coração.

Qual a cor da urina de quem tem problemas nos rins?

Cor da urina pode indicar doenças renais Qual A FunO Dos Rins Os rins fazem parte do sistema urinário, sendo responsáveis pela filtragem das impurezas e toxinas do organismo, bem como pela eliminação desses materiais através da urina. Por esse motivo, quando esses órgãos são acometidos por doenças, alguns sintomas podem aparecer e alterar o aspecto da urina.

A Diretora nefrologista da Uninefron, Ângela Santos, explica que as pessoas devem estar atentas à cor da urina para identificar possíveis problemas. “A urina pode nos fornecer informações importantes sobre nosso organismo, especialmente sobre os rins, por isso todos devemos manter o hábito diário de prestar atenção na sua cor e aspecto.

A cor normal da urina é amarela clara”, afirma. Ainda segundo Ângela Santos, “apresentar urina com cor rosada ou avermelhada, com presença frequente de espuma ou turva pode indicar problemas renais e urinários, do mesmo modo que a urina transparente. A urina que parece ‘água’ pode significar que o indivíduo bebeu muita água ou que os rins perderam sua capacidade da concentração urinária.

Nesse caso, há uma probabilidade de a pessoa ter uma doença renal crônica”, explica. A nefrologista reforça que é preciso estar atento aos sintomas que o corpo apresenta para identificar possíveis doenças em seu início, possibilitando assim uma maior chance de êxito no tratamento. Importante – Pessoas saudáveis devem ingerir líquidos de acordo com o peso corporal.

“O cálculo indicado para ingestão de líquidos é 30 a 35ml multiplicado pelo peso de cada pessoa. Por exemplo, quem pesa 50kg precisa tomar 1,750 ml para ter adequado metabolismo, evitar a desidratação e a formação de cálculos renais, promovendo assim o bom funcionamento de outros órgãos e do nosso organismo como um todo.

  1. Já os pacientes portadores de insuficiência renal devem ser orientados pelo médico que acompanha seu tratamento”, explica Ângela Santos.
  2. Doenças mais comuns do trato urinário: A nefrite aguda é a inflamação dos rins.
  3. Um dos sintomas mais comuns é a coloração diferente da urina, geralmente bem mais escura do que o normal.
See also:  Renci Akbil Ne Kadar?

O diagnóstico e o tratamento devem ser realizados para evitar danos e perda progressiva da função renal, com riscos para a cronificação e a necessidade de diálise. O tratamento pode ser através de imunossupressores, antibióticos e, em alguns casos, diuréticos.

As nefrites crônicas são lesões permanentes nos rins, que podem ser causadas por infecções maltratadas ou doenças crônicas como diabetes, hipertensão, doenças autoimunes e outras. Podem causar o aparecimento de sangue na urina, deixando o líquido rosado ou avermelhado, além de outros sintomas, como urina espumosa, inchaço nas pernas e pressão alta.

Os cálculos renais são formações endurecidas nos rins ou nas vias urinárias causadas pelo acúmulo de cristais. Neste caso, a urina pode apresentar coloração normal, ou turva, se associada a infecção urinária. Devem ser observadas obstruções na uretra, que normalmente dificultam o ato de urinar.

O que fazer para não ter problemas nos rins?

Insuficiência renal (doença renal aguda) Insuficiência renal é a condição na qual os rins perdem a capacidade de efetuar suas funções básicas. A insuficiência renal pode ser aguda (IRA), quando ocorre súbita e rápida perda da função renal, ou crônica (IRC), quando esta perda é lenta, progressiva e irreversível.

Além de eliminar resíduos e líquidos do organismo, os rins executam outras funções importantes: – regulam a água do organismo e outros elementos químicos do sangue como o sódio, o potássio, o fósforo e o cálcio; – eliminam medicamentos e toxinas introduzidos no organismo; – liberam hormônios no sangue.

Esses hormônios: – regulam a pressão sangüínea; – fabricam células vermelhas do sangue; – fortalecem os ossos. Insuficiência renal aguda : ocorre quando há alguma lesão nos rins provocando rápida queda nas suas funções. Principais causas : – choque circulatório; – sepse (infecção generalizada); – desidratação; – queimaduras extensas; – excesso de diuréticos; – obstrução renal; – insuficiência cardíaca grave; – glomerulonefrite aguda (inflamação nas unidades filtrantes do rim, chamadas glomérulos).

Vários medicamentos são tóxicos para os rins, podendo levar à insuficiência renal aguda, dentre eles: – antiinflamatórios; – antibióticos; – alguns quimioterápicos; – contraste à base de iodo para exames radiológicos. A recuperação da insuficiência renal aguda depende de vários fatores, entre eles, idade, associação com outras doenças e função renal prévia antes da lesão.

Alguns recuperam a função completamente, outros ficam com função permanentemente abaixo dos níveis normais e há ainda aqueles que nada recuperam, ficando dependentes de hemodiálise para o resto da vida. Qualquer pessoa que apresente alguma agressão renal pode vir a ter insuficiência renal aguda, mas ela é mais comum e mais grave quando ocorre em pacientes com doença renal prévia.

Prevenção : Algumas medidas simples podem prevenir o aparecimento de doenças renais: – controlar a dieta: evitar o excesso de sal, carne vermelha e gorduras; – evitar excesso de peso; – fazer exercícios regularmente; – não fumar; – controlar a pressão arterial e o diabetes. Além disso, é necessário fazer uso adequado de medicamentos, evitar remédios que agridam os rins, verificar periodicamente o níveis de proteinúria e dosagem de creatinina no sangue por meio de exames, consultar regularmente seu clínico e nefrologista.

Pacientes idosos, portadores de doença cardiovascular e pacientes com história de doença renal em familiares têm grande potencial para desenvolver lesão renal e devem ser investigados com triagem de exames de urina e dosagem de creatinina no sangue.

Como fica a pele de quem tem insuficiência renal?

Também conhecida como ressecamento da pele, a xerose cutânea, ou xerodermia, é a manifestação dermatológica de mais ocorrência em paciente com algum grau de disfunção renal, acometendo quase 80% dos casos.

Qual a importância dos rins para o funcionamento do corpo?

Um dos órgãos mais importantes do corpo humano são os rins. Multifuncionais, eles são capazes de regular a pressão arterial, eliminar as toxinas do corpo, controlar a quantidade de sal e água do organismo, produzir hormônios que evitam anemia e doença óssea, entre outras funções.

Todos os anos, na segunda quinta-feira do mês de março, é comemorado o Dia Mundial do Rim. Em 2021, a campanha tem o tema “Vivendo bem com a doença renal” com o objetivo de conscientizar e orientar o paciente com doença renal crônica (DRC) quanto aos próprios sintomas para que possa viver e conviver melhor com a condição em suas atividades diárias.

Com o aumento da expectativa de vida da população, cresce também o número de idosos com risco de desenvolver a doença renal. Portanto, é preciso se cuidar. Preparamos um conteúdo com informações sobre a importância dos rins para a saúde e orientações sobre o que os idosos podem fazer para diminuir as chances de ter problemas nesse órgão.

Onde se sente a dor nos rins?

A dor no rim costuma surgir na região acima da púbis ou no flanco (próximo da cintura).

Quando o rim está inflamado?

Qual A FunO Dos Rins Os rins são dois grandes órgãos em forma de feijão, localizados na região lombar (costas). Dentro deles existe um novelo minúsculo de vasos sanguíneos, chamados glomérulos, responsáveis por filtrar o sangue, removendo os resíduos tóxicos e o líquido em excesso que, mais adiante, constituirão a urina.

  • Num rim saudável, esse processo de filtragem ajuda a manter os glóbulos vermelhos e as proteínas na corrente sanguínea, evitando que passem para a urina.
  • A nefrite é um termo utilizado para descrever um conjunto de doenças que causam uma inflamação nos glomérulos.
  • Esta inflamação afeta a capacidade do rim de filtrar os resíduos tóxicos e o líquido em excesso.

Em muitos casos, não é possível explicar suas causas, mas, geralmente, ocorrem como uma resposta do sistema de defesa do organismo a uma “agressão” – que pode ser um medicamento, uma substância tóxica ou uma infecção. Frequentemente, a reação do corpo às “agressões” danifica os rins, provocando inchaço e cicatrizes nos delicados filtros que são os glomérulos.

  1. A nefrite pode ser aguda ou crônica.
  2. A forma aguda desenvolve-se subitamente, por vezes após uma infeção na garganta ou na pele, podendo necessitar de tratamento com antibióticos para evitar que provoque uma reação grave no rim.
  3. A nefrite crônica desenvolve-se de forma silenciosa, sem sintomas, ao longo de vários anos e pode levar à insuficiência renal.

Causas de nefrite: – Infecções por bactérias, vírus, etc., – Pessoas com doenças dos rins, câncer, diabetes, HIV, doença falciforme, doenças autoimunes como o lúpus ou a Síndrome de Sjogren têm maior risco de sofrer de nefrite; – Ser exposto de forma prolongada às toxinas como lítio, chumbo, cádmio ou ácido aristolóquico.

Sintomas: – Diminuição da quantidade de urina; – Urina avermelhada ou com cor de “Coca-Cola”; – Excesso de suor, especialmente no rosto, mãos e pés; – Inchaço dos olhos ou das pernas; – Aumento da pressão arterial; – Presença de sangue na urina. Tratamento: O tratamento vai depender do tipo de nefrite e, por isso, no caso da nefrite aguda o tratamento pode ser feito com repouso absoluto, controle da pressão arterial e redução do consumo de sal.

Se a nefrite aguda foi provocada por uma infecção, o médico nefrologista pode prescrever um antibiótico. Prevenção: Cuidar da saúde como um todo ajuda a proteger a saúde do rim. Recomenda-se: – Praticar exercícios físicos regulares; – Evitar o excesso de sal, carne vermelha e gorduras; – Controlar o peso corporal; – Controlar a pressão arterial; – Controlar o colesterol e a glicose; – Não fumar; – Não abusar de bebida alcoólica; – Evitar o uso de anti-inflamatórios não hormonais; – Ter cuidado com quadros de desidratação; – Realizar, uma vez por ano, exames laboratoriais para avaliar a saúde dos rins: dosagem de creatinina no sangue e análise de urina; – Consultar regularmente seu clínico; – Não fazer uso de medicamentos sem prescrição médica.

  • Pacientes idosos, portadores de doença cardiovascular e pacientes com história de doença renal em familiares têm grande potencial para desenvolver lesão renal e devem ser avaliados periodicamente.
  • IMPORTANTE: Somente médicos e cirurgiões-dentistas devidamente habilitados podem diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios.

As informações disponíveis em Dicas em Saúde possuem apenas caráter educativo. Dica elaborada em outubro de 2022. Fontes : Associação Portuguesa de Insuficientes Renais Fundação Pró-Rim Sociedade Brasileira de Nefrologia

Onde se localiza a dor nos rins?

Geralmente, a dor nos rins ocorre abaixo do tórax; na coluna (em apenas um ou nos dois lados); na região próxima à virilha e no osso púbis, localizado no fundo das costas, logo acima do bumbum. A principal diferença entre a dor nos rins e a lombalgia está na periodicidade de ambas.