Sabor De Minas

Dicas | Recomendações | Comentários

Qual A Origem Da Filosofia?

Qual A Origem Da Filosofia

Quais a origem da filosofia?

A filosofia surge na Grécia no período compreendido entre o final do século VII a.C e o início do século VI a.C. e foi a maneira pela qual os gregos antigos encontraram para explicar o mundo, os fenômenos e os acontecimentos de maneira racional.

Qual a origem da filosofia resposta?

Laboratório Interdisciplinar de Ensino de Filosofia e Sociologia O QUÊ É FILOSOFIA? A palavra Filosofia é de origem grega, e significa “amor à sabedoria”. Filosofar quer dizer refletir sobre questões fundamentais da vida humana porque quem o faz sente que precisa de uma resposta a essas questões para viver melhor.

  • Filosofa – mesmo sem saber o nome dessa atividade – quem se pergunta, por exemplo, como deveria ser uma sociedade justa, ou como distinguir entre o que verdadeiramente sabemos e o que apenas opinamos.
  • Também filosofa que busca a maneira correta de enfrentar um dilema moral, ou quem quer saber se a existência humana tem um significado.

É possível que todo ser humano – não importando a época ou a cultura – tenha formulado para si tais perguntas, como o atesta a literatura: “Ser ou não ser, eis a questão” (Shakespeare) é uma inquietação filosófica. Podemos denominar a essa ocupação universal de Filosofia espontânea.

  1. Dela se diferencia a Filosofia acadêmica, uma atividade intelectual que foi, por assim dizer, inventada pelos gregos séculos antes de Cristo e que faz parte importante da tradição cultural ocidental.
  2. É a Filosofia estudada, ensinada e discutida nas Universidades.
  3. E os filósofos (profissionais, poderíamos dizer) são aquelas pessoas que dedicam sua vida a refletir de maneira sistemática e rigorosa sobre as questões filosóficas.

A Filosofia acadêmica tem diversas áreas, sendo as principais: a Lógica, que estuda as formas de raciocínio correto, diferenciando-as das formas equivocadas pelas que podemos ser enganados. A Epistemologia ou Teoria do Conhecimento, em que se indaga sobre a natureza do conhecimento humano, seus fundamentos, variedades e limites.

A Ontologia, o ramo da Filosofia em que tratamos de esclarecer em que consiste dizer que algo existe, ou que é real, à diferença de ficções (os números, por exemplo, existem?). A Ética, que pesquisa os fundamentos dos juízos morais. A Filosofia Política, endereçada a compreender e questionar a organização da vida social e o exercício do poder.

A Filosofia da Linguagem, que analisa esse instrumento básico da humanidade. E a Estética, cujo interesse gira em torno da experiência artística. Como se pode advertir, a Filosofia é uma atividade intelectual muito abrangente. À diferença das ciências, ela não está limitada a um setor ou aspecto da realidade.

Pode-se filosofar a propósito de tudo quanto desperta nossa admiração ou provoca nossa dúvida. E filosofamos, não apenas na solidão do nosso pensamento, mas em diálogo com os demais homens. Em particular, lendo as obras dos filósofos famosos (Platão, Aristóteles, Descartes, Kant, Nietzsche, Habermas) que são aqueles pensadores que formularam de maneira particularmente rigorosa as questões filosóficas, de tal modo que suas ideias ainda hoje podem nos ajudar a compreendê-las e respondê-las.

O currículo do curso de Filosofia, em qualquer universidade, está integrado por diversas disciplinas que correspondem às áreas filosóficas, e prepara, seja para ser um pesquisador profissional nessas matérias, seja para ensinar na escola ou na própria universidade.

Os estudos filosóficos podem ser também um valioso complemento de qualquer formação científica, técnica ou artística, porque filosofar capacita a pessoa para exercitar a sua atividade, seja ela qual for, de maneira mais lúcida e rigorosa. Um físico que reflete sobre o que seja ciência, um engenheiro que o faz sobre a natureza da tecnologia, um pintor que pensa o propósito da criação, são melhores profissionais.

E ser melhor é o ganho que promete a Filosofia, que não é útil em sentido material nem econômico, porém valiosa para a qualidade da existência. Porque, como afirmou o filósofo Sócrates, “uma vida sem exame não é digna do homem”. : Laboratório Interdisciplinar de Ensino de Filosofia e Sociologia

Como surgiu e qual a origem da filosofia?

A Origem da Filosofia Pedro Menezes Professor de Filosofia, Mestre em Ciências da Educação A filosofia nasceu na Grécia antiga, no início do século VI a.C. Tales de Mileto é reconhecido como o primeiro filósofo, apesar disso, foi outro filósofo, Pitágoras, que cunhou o termo “filosofia”, uma junção das palavras ” philos ” (amor) e ” sophia ” (conhecimento), que significa “amor ao conhecimento”.

Quando surgiu a filosofia antiga?

A Filosofia Antiga abrange um período em que os pensadores gregos viviam em busca constante pela sabedoria. Seu surgimento ocorreu no século VII a.C e perdurou até a queda do Império Romano.

Qual é a finalidade da Filosofia?

Para que serve a Filosofia? – Qual A Origem Da Filosofia Escultura O Pensador, de Auguste Rodin Por meio de argumentos que utilizam a razão e a lógica, a filosofia busca compreender o pensamento humano e os conhecimentos desenvolvidos pelas sociedades. A filosofia foi essencial para o surgimento de uma atitude crítica sobre o mundo e os homens.

Ou seja, a atitude filosófica faz parte da vida de todos os seres humanos que questionam sobre sua existência e também sobre o mundo e o universo. De tão importante, esse campo do conhecimento tornou-se uma disciplina obrigatória no currículo escolar, bem como foram criadas diversas faculdades de filosofia.

Veja também:

Para que serve a filosofia? O que é atitude filosófica?

O que é o que a Filosofia estuda?

A carreira em Filosofia – A Filosofia procura estudar a essência da humanidade e a realidade em que vivemos. Refletir sobre o sentido das coisas e apresentar diferentes visões da realidade são atividades desempenhadas por profissionais desta área. Os filósofos são estudiosos e pensadores.

Eles refletem sobre questões éticas, morais e políticas e também sobre os problemas atuais da sociedade. A maior parte dos profissionais formados em Filosofia segue a carreira acadêmica, Filosofia é uma das disciplina obrigatórias do ensino médio e algumas escolas também ensinam esta disciplina já no ensino fundamental.

As universidades contratam profissionais formados em Filosofia para atuarem como professores e pesquisadores, Para ocupar essas posições, o profissional deve realizar cursos de pós-graduação. No setor público e em organizações não-governamentais, profissionais da área de Filosofia atuam juntamente com profissionais de outras áreas, principalmente em projetos que envolvam mudanças de realidades sociais.

O mercado editorial emprega filósofos para atuarem como escritores. Não é raro encontramos profissionais da área de Filosofia que, mesmo com outras ocupações, publicam livros sobre os mais variados temas. O filósofo é um profissional que constantemente faz análises éticas e políticas da sociedade e suas manifestações artísticas e culturais.

Uma das áreas em que este profissional atua é a da crítica, Ele analisa livros e obras artísticas e escreve artigos para jornais, revistas e internet com suas impressões sobre a obra.

See also:  Feraset Ne Demek?

O que levou o homem a filosofar?

Metafísica de Aristóteles – Brasil Escola Aristóteles busca estabelecer a ciência da sabedoria, investigando as primeiras causas e princípios das coisas. Todo o homem busca o saber, e a filosofia é a busca, o amor pelo saber, é a ciência que estuda as causas últimas de todas as coisas.

É considerada a mãe (base) do conhecimento universal, pois estuda todas as realidades, a totalidade, o universo tomado globalmente. Filosofia é teorética, que se forma na investigação dos primeiros princípios e causas, e o bem sendo uma das causas, é também sua finalidade. A natureza da Filosofia vem do entusiasmo, da admiração, da dúvida, e foi para fugir à ignorância, pelo desejo de saber (gerado pelo deleite da visão), que os homens começaram a filosofar.

A falta de compreensão, a inquietude, e a falta de certeza a respeito das coisas em si, e tampouco a si mesmas, despertaram nos homens a admiração, agitando seu interesse, para investigar, questionar a realidade. É o desejo de saber por saber, desinteressado, que não busca utilidades, mas a si mesmo.

  • Eis a liberdade da Filosofia, pois existe por si só, por isso é considerada uma aquisição divina, um discurso admirado ou espantado com o mundo.
  • O nascimento da Filosofia deu-se a partir do momento que o homem entrou na fase do ócio, do lazer, quando não se preocupava com coisas úteis e necessárias, ficando “desocupado”, liberado para ocupar-se das questões do saber, de buscar conhecer o que as coisas são em si e por si mesmas.

A liberdade passa a ser uma condição que torna possível a vida do filósofo. Assim, para Aristóteles a metafísica é a ciência mais elevada, suprema, pois ir às causas das causas terá que se chegar numa causa incausada necessariamente, que só pode ser admitida pela existência de um Deus supremo, que pensa e contempla a si mesmo.

O que é o principal foco da Filosofia?

Introdução – A palavra filosofia vem do grego philosophia, e significa amor à sabedoria, A Filosofia como ciência tem sua origem no momento em que o homem deixa de usar os mitos como explicação para o funcionamento da natureza, da vida e da sociedade.

  1. Ou seja, a filosofia é a maneira racional que o homem utiliza para buscar explicações sobre a vida, a sociedade, a origem das coisas e fenômenos naturais.
  2. A Grécia é considerada o berço dos filósofos e primeiros pensadores racionais, pois foi lá que a filosofia teve origem, em meados do século V a.C.

Da Grécia até a contemporaneidade, a filosofia é dividida em escolas filosóficas, organizadas de acordo com o período histórico e as principais características de pensamento. 📚 Você vai prestar o Enem 2020? Estude de graça com o Plano de Estudo Enem De Boa 📚

Qual é o nome do primeiro filósofo?

Os Pré Socráticos Qual A Origem Da Filosofia Os filósofos pré-socráticos foram os primeiros a explicarem o mundo sem recorrer ao sobrenatural, sem recorrer ao místico. Anteriormente a eles, o mundo era explicado através da mitologia. A mitologia, no seu tempo, era o que estabelecia as regras sociais e estabeleciam a unidade do povo grego.

Os pré-socráticos eram estudiosos da physis (a natureza), aquilo que é natural, que ia em contraposição ao sobrenaturalismo vigente. Água, Ápeiron e Arithmós O primeiro filósofo foi Tales de Mileto, Tales acreditava que a primeira substância era a água, a água era a origem única de todas as coisas. Ele acreditava que era possível ver a água em tudo.

Se tudo era água, tudo era um por conclusão lógica. Logo o universo inteiro era caracterizado pela unidade na visão de nosso primeiro filósofo. Anaximandro de Mileto acreditava que o universo tenha sido criado por modificações de um princípio originário (arché).

Esse princípio era o ápeiron (infinito). Esse primeiro princípio tinha de ser naturalmente não-gerado, pois aquilo que foi gerado tem necessariamente um fim. Logo esse princípio era o princípio de todas as coisas, mas não teve um princípio próprio. Pitágoras de Samos acreditava na unidade entre todos os seres existente.

O que unia todos os seres era a arithmós (no caso, a matemática). O esforço intelectual conseguiria unificar numericamente todas as coisas. Os números são, portanto, a alma das coisas. Heráclito e Parmênides Comecemos por Heráclito : tudo é contínua mudança, isto é, estamos numa constante alteridade.

  • Daí surge o clássico exemplo do rio: quando banhamo-nos no rio, somos uma coisa e o rio outro; quando banharmo-nos novamente, seremos outra coisa e o rio outra.
  • O ser está em constante mudança, tudo está em constante mudança.
  • Parmênides afirmará o contrário, o ser não está em contínua mudança, mas em estado de permanência.

Parmênides entrará em duas noções: “o que é” e “o que não é” – o segundo revelar-se-á impossível segundo o pensamento de Parmênides. O ser é, foi e sempre será o mesmo. O não-ser não é e nunca será. O ser não pode vir a tornar-se outro ser, pois para ser outro ser ele teria de ser o não-ser – e isto é uma impossibilidade lógica.

Quando um ser é criado, ele já tem dentro de si todas as potencialidades que o definirão. Logo ele nunca se torna o que ele não poderia vir a ser, tudo já está delimitado em sua potencialidade. Os pré-socráticos foram os primeiros a levarem o mundo ao conhecimento científico. Eles deram os passos iniciais para construção de um pensamento racional e, portanto, foram importantíssimos para o progresso da humanidade.

Se não fosse por o pontapé que eles deram, nossa civilização não teria progredido tanto. Escrito por: Gabriel Dutra, aluno do 2º semestre do curso de Filosofia da Ítalo : Os Pré Socráticos

Quem criou o pensamento filosófico?

O surgimento do pensamento filosófico ocorreu na Grécia, entre os séculos VII e VI a.C., e o primeiro filósofo se chamava Tales de Mileto.

Onde é considerado o berço da Filosofia?

Assim sendo, para os povos do Ocidente, o berço da Filosofia foi a Grécia. Os pensadores gregos foram os primeiros a separar a razão (raciocínio) da fé (crença pura). Os filósofos que mais se destacaram foram Sócrates, seu discípulo Platão, e Aristóteles.

Quem é o pai da Filosofia Moderna?

René Descartes: biografia, filosofia e principais ideias Pedro Menezes Professor de Filosofia, Mestre em Ciências da Educação René Descartes (1596-1650) foi um filósofo e matemático francês. Criador do pensamento cartesiano, sistema filosófico que deu origem à Filosofia Moderna.

Quais são os 4 tipos de filosofia?

1) filosofia antiga; 2) filosofia medieval; 3) filosofia moderna; 4) filosofia contemporânea.

Quais são as três fases da Filosofia?

A história da filosofia na Antiguidade pode ser dividida em três grandes períodos: o período pré-socrático, a Grécia clássica e a época helenística.

See also:  Bacak ARıSıNa Ne Iyi Gelir?

O que é essencial para a filosofia?

Com possíveis origens diferentes, é certo que a Filosofia é a atividade do pensamento de pensar sobre ele mesmo de maneira conceitual e problemática. Pode-se dizer que a atividade primeira e essencial da Filosofia é o pensamento.

Por que é importante estudar a filosofia?

Você é uma pessoa curiosa? Você está sempre pensando nas verdades fundamentais do mundo? Então estudar filosofia pode ser sua vocação. Ao longo do curso, você desenvolverá habilidades de resolução de problemas, pensamento crítico, debate, raciocínio eficaz e pensamento crítico que, como discutiremos a seguir, são características que o tornam altamente empregável. Durante a graduação em filosofia, você aprenderá e debaterá tópicos como existência, realidade, conhecimento, mente, ética e tempo, para citar apenas algumas áreas de investigação. As perguntas filosóficas típicas incluem:

O que é conhecimento? Quem deve liderar? O que é liberdade? O que é verdade? O que é beleza? Temos livre arbítrio? Os computadores podem ser criativos? O que significa ser verdadeiro?

Na filosofia, não há respostas definitivas. Estudar essa área significa considerar diferentes argumentos e avaliar a validade de cada um deles. Treinar sua mente para pensar crítica e analiticamente é um dos muitos benefícios de escolhê-la, pois pode ajudar em sua própria vida ao tomar decisões e avaliar seus próprios valores. Algumas outras razões principais para estudar filosofia:

Obter uma compreensão mais profunda de algumas das questões mais fundamentais do mundo; Preparar-se para uma ampla variedade de campos; Aprender a argumentar de forma eficaz; Aprender sobre alguns dos pensadores mais notáveis ​​que moldaram a forma como pensamos sobre o mundo hoje, incluindo Sócrates, Descartes e Aristóteles; Desenvolver fortes habilidades de escrita; Formular suas próprias opiniões; Analisar informações complexas.

O que se pode aprender com a filosofia?

Por que é preciso estudar filosofia? – A filosofia não parece uma disciplina muito atrativa para ser estudada não é mesmo? Porém ela tem uma importância valiosa em sua vida. Através da filosofia é possível abrir a mente para novos conceitos ou até novas mudanças.

Podemos conhecer os grandes filósofos que já existiram no mundo, o que eles pensavam e como pensavam. Ela nos desafia a despertar nosso espírito critico, para que possamos ter uma visão clara diante dos fatos da vida e dos extremos da natureza humana como a vida e morte. A filosofia é a busca de novos horizontes, é a busca por respostas, são questionamentos incessantes.

A cada questionamento que fazemos, estamos buscando mais conhecimento e assim passamos a interpretar e pensar o mundo.

Quem são os filósofos?

Significado de Filósofo (O que é, Conceito e Definição) Filósofo é a pessoa responsável por estudar a natureza de todas as coisas existentes e as relações que possam existir entre estas coisas. Noções de valores, sentidos, fatos, além da conduta e destino do homem também são temas estudados por este profissional.

  • Ele é o profissional que tem como ocupação principal se dedicar aos estudos da Filosofia e considera a área um dos princípios do conhecimento, seja para o saber, seja para conduzir a vida.
  • O filósofo investiga os princípios, fundamentos, essências da realidade circundante seja em uma perspectiva inerente à natureza, seja por levantar causas e explicações transcendentes, transcendentais ou metafísicas.
  • O termo também se refere à pessoa que, partindo deste conceito de conhecimento, opta por levar uma vida tranquila, tendo sua vida regida sob à luz de princípios obtidos do pensamento racional.
  • Neste sentido, o filósofo consegue ter um pensamento bastante racional sobretudo no que se refere à manutenção da tranquilidade e da sensatez para tomar decisões importantes.

O filósofo é movido pela consciência lúcida que a busca pelo conhecimento é uma característica da condição humana de adquirir sabedoria. Este princípio remonta ao que diz o filósofo grego Pitágoras, que é citado como o inventor do termo “filósofo”,

  1. Desta forma, é comum que o filósofo tenha uma grande aptidão pela leitura, pesquisa e escrita, além de ter um raciocínio abstrato e um espírito investigativo e interpretativo.
  2. Além disso, por ele ter esta característica de ser um estudioso, sua profissão está sempre relacionada com a área do ensino e da educação de maneira geral.
  3. Veja mais sobre a,

Onde a filosofia está presente nos dias atuais?

4 exemplos práticos de que a filosofia serve para a vida cotidiana A disciplina de deixou de ser considerada uma “área prioritária” e tem sido questionada por sua natureza pouco prática. Mas, como lembrava a filósofa Marina Garcés, “a filosofia não é útil ou inútil.

É necessária”. Trata-se de uma “linguagem fundamental” para aprender a pensar de forma crítica. De qualquer forma, neste momento haverá leitores dizendo algo como: “Ok, tudo bem. A filosofia é bonita. Pode ser um hobby, como jogar xadrez ou fazer palavras cruzadas. Mas não se traduz em nada que possa me servir.

Nunca me verei na situação de duvidar se o mundo existe, como Descartes”. Mas a reflexão e a análise de questões fundamentais têm muito mais consequências práticas do que parece. A filosofia não só nos ajuda a ver o mundo de maneira diferente, mas também pode mudar a forma como interagimos com ele.

Quais são as principais características da filosofia?

Deve ser Radical a Filosofia?

Deve ser Radical a Filosofia? Ou A Filosofia e seus Pressupostos

A insatisfação com as certezas dogmáticas trazidas pelas explicações míticas do mundo fez nascer, com os gregos antigos, um novo vocabulário. Ao conjunto de expressões e conceitos recém-construídos por esse novo vocabulário convencionou-se chamar: Filosofia,

Este novo vocabulário começa a ser desenvolvido em colônias gregas, como a Jônia e a Magna Grécia (Península Itálica e Sicília), por volta do século VI a.C., e tem por intenção original uma busca pela racionalidade que regula e estrutura o universo e as coisas nele contidas. Com isto, os primeiros pensadores gregos envolvidos nesta tarefa, posteriormente conhecidos como filósofos pré-socráticos, iniciam um processo de dessacralização da natureza.

Nesse processo, talvez mesmo sem se aperceberem, ofereceram as bases para o próprio pensar filosófico, Isto é, além de esboçarem um novo vocabulário, um novo arcabouço conceitual, ajudaram a desenvolver um novo pensar, A filosofia, portanto, é um outro pensar.

Um outro pensar no sentido de uma outra forma de enxergar e explicar o mundo. Um pensar que busca ultrapassar o dogmatismo mítico e o sagrado. Para que possa existir, entretanto, esta forma dessacralizada e não dogmática de pensar, alguns pressupostos precisam existir, algumas condições necessitam ser atendidas.

É o que será analisado neste breve Ensaio. Desde sua origem e até hoje, a filosofia estrutura-se em torno de um tipo de pensamento abstrato e sistematizado, marcado pela racionalidade, pela construção firme de conceitos e por uma rigorosa lógica interna de seus próprios argumentos.

  1. Como a base, o ponto de partida, para essa estrutura de pensamento, para essa forma de pensar, ou dito de outra maneira, para que se possa mesmo chegar a esta forma de pensar, a filosofia precisa atender a alguns requisitos fundamentais.
  2. São quatro estes requisitos: rigorosidade, criticidade, totalidade e radicalidade,
See also:  RYada çOçUk GöRmek Ne Anlama Gelir?

Estas quatro características ou requisitos formam a condição de possibilidade da filosofia. Vejamos então um pouco mais detalhadamente cada uma destas características. Rigorosidade A análise filosófica deve ser, antes de mais nada, rigorosa, Rigorosa no sentido de um aprofundamento do método específico e determinado da pesquisa filosófica.

Uma pesquisa que exige a revisão de todos os conceitos e paradigmas anteriores acerca do tema ou assunto abordado. Pesquisa que deve ser seguida de uma análise que não se contente e nem se contenha naquilo já dito ou escrito. Análise esta que não se permita deter ao esbarrar em dogmas, tradições e certezas do passado.

Ao expor suas conclusões, o discurso filosófico deve estar centrado em conceitos que estejam dotados de uma estrutura interna coerente, concatenada e lógica. As conclusões obtidas da pesquisa e análise empreendidas devem ser claras, por mais complexo e abstrato que seja o tema estudado.

  • Rigorosidade,
  • Criticidade A criticidade em filosofia nada mais é do que a busca de ultrapassagem do pensamento ingênuo.
  • Ultrapassagem do pensamento que se contenta com as explicações já dadas e tidas como certas.
  • Ultrapassagem de um pensamento que se acomode com o status quo existente.
  • Ultrapassagem de um pensamento que não queira promover mudanças, que não objetive a transformação da realidade.

Toda a filosofia que não tenha a pretensão de contribuir com a construção de uma sociedade melhor, mais justa, mais equilibrada, mais humana, através da reflexão crítica, não-ingênua, não merece o título de filosofia. A filosofia não é neutra. A filosofia precisa ser construída sempre em bases de juízo de valor.

Talvez essa seja uma das principais distinções entre o pensar filosófico e o pensar próprio da Ciência. Criticidade, Totalidade ou Visão de Conjunto A percepção filosófica, o olhar filosófico, deve sempre buscar enxergar o todo, o conjunto, Sua análise nunca pode ser parcial, fracionada, fragmentada.

Se for, não poderá pretender ser filosofia. O contexto e suas variantes devem ser levados em consideração. Os desdobramentos e as consequências daquela determinada perspectiva filosófica devem ser ponderados e pensados. Se as ciências são particulares, na medida em que se ocupam de forma mais centralizada em seu objeto específico de estudo, a filosofia é sempre de conjunto, isto é, relaciona e examina os problemas sob a perspectiva do todo, relacionando os diversos aspectos da realidade e das coisas entre si.

  • A filosofia deve pretender visar ao todo, à totalidade.
  • Evidentemente que a perspectiva e o referencial teórico adotados por cada filósofo irá influenciar sua abordagem e conclusões, atribuindo sempre um viés a sua análise.
  • Afinal, o pensar filosófico se posiciona.
  • Mas este determinado viés não deve deixar de levar em consideração ou negligenciar outros vieses, e mesmo o conjunto de vieses.

Totalidade, Radicalidade Aqui deve ser oferecida, enfim, a resposta à indagação proposta no título deste Ensaio: deve ser radical a filosofia? E a resposta é sim, Sim, o pensar filosófico precisa ser radical. Radical no sentido de uma reflexão que busque a raiz, a origem, os fundamentos, do problema ou da questão analisada.

Um pensar que não vá às raízes de uma determinada questão, é um pensar ingênuo, fruto de uma consciência ingênua. Um pensar assim não é filosófico. O pensar filosófico precisa aprofundar sua reflexão até à fonte primeira daquela pretensão de verdade, desconstruindo e reconstruindo conceitos e fundamentos, mesmo que para manter ou defender sua validade.

O pensar filosófico, o filosofar, precisar ser Radical, Assim como a ciência, as artes, a espiritualidade, a filosofia é uma conquista da humanidade. Mas para que ela exista, a filosofia, para que ela pretenda ser filosofia, ela deve ser construída e pensada a partir destes pressupostos: rigorosidade, criticidade, totalidade e radicalidade,

Quais são os 4 períodos da História da Filosofia?

1) filosofia antiga; 2) filosofia medieval; 3) filosofia moderna; 4) filosofia contemporânea.

Onde é considerado o berço da Filosofia?

Assim sendo, para os povos do Ocidente, o berço da Filosofia foi a Grécia. Os pensadores gregos foram os primeiros a separar a razão (raciocínio) da fé (crença pura). Os filósofos que mais se destacaram foram Sócrates, seu discípulo Platão, e Aristóteles.

O que levou o homem a filosofar?

Metafísica de Aristóteles – Brasil Escola Aristóteles busca estabelecer a ciência da sabedoria, investigando as primeiras causas e princípios das coisas. Todo o homem busca o saber, e a filosofia é a busca, o amor pelo saber, é a ciência que estuda as causas últimas de todas as coisas.

É considerada a mãe (base) do conhecimento universal, pois estuda todas as realidades, a totalidade, o universo tomado globalmente. Filosofia é teorética, que se forma na investigação dos primeiros princípios e causas, e o bem sendo uma das causas, é também sua finalidade. A natureza da Filosofia vem do entusiasmo, da admiração, da dúvida, e foi para fugir à ignorância, pelo desejo de saber (gerado pelo deleite da visão), que os homens começaram a filosofar.

A falta de compreensão, a inquietude, e a falta de certeza a respeito das coisas em si, e tampouco a si mesmas, despertaram nos homens a admiração, agitando seu interesse, para investigar, questionar a realidade. É o desejo de saber por saber, desinteressado, que não busca utilidades, mas a si mesmo.

Eis a liberdade da Filosofia, pois existe por si só, por isso é considerada uma aquisição divina, um discurso admirado ou espantado com o mundo. O nascimento da Filosofia deu-se a partir do momento que o homem entrou na fase do ócio, do lazer, quando não se preocupava com coisas úteis e necessárias, ficando “desocupado”, liberado para ocupar-se das questões do saber, de buscar conhecer o que as coisas são em si e por si mesmas.

A liberdade passa a ser uma condição que torna possível a vida do filósofo. Assim, para Aristóteles a metafísica é a ciência mais elevada, suprema, pois ir às causas das causas terá que se chegar numa causa incausada necessariamente, que só pode ser admitida pela existência de um Deus supremo, que pensa e contempla a si mesmo.

Quais são os três filósofos considerados os criadores da Filosofia?

Platão, Sócrates e Aristóteles, cada qual a seu modo, foram os três filósofos máximos da Grécia Antiga e, também, de toda a Humanidade, em todos os tempos.